30 de out de 2009

ELEIÇÕES 2010, bejani E O PTB

Juiz de Fora está carente de representantes, tanto na Câmara Estadual quanto na Federal. No próximo ano teremos eleições. Já é normal, mesmo faltando um ano, que os possíveis pré-candidatos já comecem a correr atrás de seus eleitores. Tudo indica que as velhas raposas estão articulando para se elegerem. Neste cenário do vale tudo observamos que as coisas permanecem iguais como antes. Há partidos e partidos e no caso de Juiz de Fora o PTB bateu recorde do absurdo. Quando aceitou de volta o ex-prefeito bejani, aquele que assaltou os cofres públicos com sua gang institucionalizada e que foi preso pra não perder o mandato renunciando ao cargo de prefeito (ato típico dos facínoras) e agora será candidato a um cargo de deputado estadual pelo PTB. Qual será a negociata que bejani fez para ser aceito novamente no PTB? Provavelmente o cenário foi uma bela churrascaria na companhia de Roberto Jéferson e Fernando Collor que são os atuais proprietários do PTB.

CONGRESSO

Congresso em Foco: vote nos parlamentares do PSOL

parlamentares_psol

Os jornalistas que cobrem o Congresso Nacional escolheram Chico Alencar (PSOL/RJ) como o melhor deputado do país em eleição do site Congresso em Foco. Participaram do processo 176 profissionais, que selecionaram 27 parlamentares na Câmara. Além de Chico, Ivan Valente e Luciana Genro estão entre eles. Nesta segunda fase, os internautas poderão votar nos parlamentares selecionados. É só entrar no site do Congresso Em Foco (http://www.premiocongressoemfoco.com.br) e votar nos 3 parlamentares do PSOL. Colocar nossos parlamentares como os mais votados credencia o PSOL como uma força política relevante no Congresso Nacional.

PSOL e PV

Heloisa Helena pede ao PSOL que abra negociações com Marina

Folha Online/IZ
A presidente nacional do PSOL, Heloísa Helena (HH), sugeriu ao partido a abertura de negociação formal com a presidenciável Marina Silva, do PV.A proposta foi feita à comissão Executiva do PSOL, que ainda não deliberou. HH praticamente descartou a hipótese de disputar o Planalto em 2010.Disse aos demais dirigentes do partido que, inviabilizando-se o acerto com Marina, prefere que o PSOL seja representado na sucessão por outra pessoa.Citou o nome de sua preferência: o ex-deputado Milton Temer, do Rio. A outra opção da legenda é Plínio de Arruda Sampaio, ex-deputado por São Paulo.Ouvida pelo blog, HH disse que tende a comparecer às urnas como candidata ao Senado: “Quero que Alagoas tenha uma alternativa...”“...Se o meu Estado quiser ser representado por pessoas como Collor e Renan, é um direito que ele tem. Mas quero oferecer uma alternativa”.Vista como nome mais forte do PSOL para a eleição presidencial -encosta em Aécio Neves nas pequisas-, HH soa como se já tivesse descartado essa hipótese:“Eu ser candidata à Presidência da República hoje seria puro mecanismo eleitoreiro. Nada haveria de compromisso programático e ideológico”.Um pedaço do PSOL torce o nariz para a composição com Marina. A aversão é maior ao PV do que à senadora.

Amiga fraternal de Marina, HH recusa a tarefa de comparecer à campanha como opositora da candidata do PV.“Não vou para uma campanha eleitoral para fazer uma disputa ideologizada com a Marina. De jeito nenhum”.HH está bem-posta nas pesquisas eleitorais feitas m Alagoas. Figura como favorita na disputa de uma cadeira no Senado.A despeito disso, afirma que não se deixa pautar pelo favoritismo. Ela evoca a eleição presidencial de 2006. Era senadora à época.Tinha diante de si chances reais de ser reeleita. Para projetar o PSOL nacionalmente, foi à refrega presidencial sabendo que ficaria sem mandato.“Se eu fizesse política pautada pela viabilidade eleitoral, não tinha voltado para a sala de aula”, diz HH.Depois da derrota de 2006, a ex-senadora viu-se compelida a retomar o cargo de professora na Universidade Federal de Alagoas. Em 2008, elegeu-se vereadora.Se dependesse apenas da vontade de HH, o PSOL se coligaria com o PV de Marina.

“Tenho uma amizade pessoal com Marina. Somos irmãs. Compartilhamos questões familiares e preocupações políticas...”“...Ela me ligou antes mesmo de deixar o PT, para saber se eu seria candidata à Presidência”.A proposta de formação de uma comissão do PSOL para negociar com o PV foi feita por HH há cerca de um mês.Na quinta-feira (15) da semana passada, em nova reunião, ela reiterou a sugestão. Mas a Executiva do PSOL pediu tempo.Deliberou-se que o partido só tomará uma decisão final em março de 2010. Algo que, na opinião de HH, não impede que a legenda se mexa.O repórter apurou que o PV não cogita entregar ao PSOL o cargo de vice na chapa de Marina. Esse é um dos empecilhos.O outro é o fosso ideológico que separa as duas legendas. O PV adota uma política de alianças que a turma do PSOL considera demasiado elástica.Nos Estados e nos municípios, o partido de Marina participa de governos comandados pelo PSDB, pelo PT e até pelo DEM.“O problema é que, quando a gente faz uma aliança, não é com a pessoa, mas com o partido”, afirma HH.“Então, há no PSOL gente que faz uma crítica honesta e consequente e gente que se baseia na mera matemática eleitoralista...”“...São pessoas que preferem a candidatura própria [à Presidência] para ter maior viabilidade eleitoral...”“...Acham que, apoiando Marina, o PSOL não vai poder fazer aliança na maioria dos Estados, porque o PV já tem uma política ampliada de aliança”.Hoje, diz HH, “ainda não há maioria” na Executiva do partido para aprovar uma aliança com Marina. A ex-senadora sublinha o vocábulo “ainda”.E repete: “Se a opção for pela candidatura própria, defendo que o melhor nome para representar o partido é o do Milton Temer”.A Executiva nacional do PSOL volta a se reunir no início de novembro, provavelmente no dia 7.