4 de jan de 2011

O CARA DE PAU!!!


Ao tomar posse ontem na Câmara de Vereadores como novo presidente do legislativo juizforano, o pastor Carlos apresentou um discurso digno daqueles políticos que não tem o mínimo compromisso com a cidade. Ao falar de ética e transparência, a vontade que temos é de enviar ao ilustre vereador litros de óleo de peroba para passar em sua cara de pau.
Quem não se lembra do baba ovo mor que vivia tomando bênção ao ex-prefeito Bejani, defendendo os seus projetos megalomaníacos, que vivia obstruindo os projetos que iriam beneficiar a população? Sem falar que nesta legislatura votou a favor do aumento do IPTU!
Sai o menino bonitinho e assume a sombra do passado recente que num rastro de podridão tem agora a oportunidade de retornar as negociatas, aos favores, à política perversa que Juiz de Fora experimentou com Bejani, Vicentão e companhia.
O destino mais uma vez nos obriga a refletir como a política em Juiz de Fora é conservadora, incapaz de ousar, de mudar em favor do seu povo que é o mais prejudicado. O retrocesso com esta escolha trará sérios prejuízos futuros à cidade.

Waldir Giacomo (vice-presidente do PSOL JF)

2 comentários:

  1. quanto a "escolha" de Pastor Carlos para liderar o legislativo de Juiz de Fora, já era algo esperado e quase certo, haja vista os ultimos acontecimentos na cidade ( me refiro a relação executivo x legislativo). Era certo que a oposição não iria abocanhar nenhuma fatia da pizza municipal, já que estamos nos referindo a uma gestão vaidosa, e por que não citarmos soberana (no melhor conceito Aureliano, e não a soberania popular).

    Esse panorama que assistimo não acontece ao acaso, neste caso, o acaso realmente não existe, e nem se trata de algo sobrenatural, ou de vidas passadas. Porém devido ao perfil do eleitor juiz forano: o eleitor apartidário, e o eleitor afetivo.

    O apartidarismo e o voto afetivo formam a dicotomia do perfil do eleitor. Sendo o primeiro relacionado a falta de defesa por uma ideologia por parte da maioria do eleitor. logo ( com algumas exceções) acaba por optar pelo voto afetivo.

    Esse por sua vez refere-se a escolha do candidato por afinidade, quer seja de interesses pessoais próprios ou por relacionamento social ( ou até pessoal).

    Juiz de Fora não possui uma política partidária efetiva, dentre os poucos populares que militam, a maioria está em um partido com objetivos eleitoreiros, emboçam seus discursos com propostas populares, preocupação com o social, quando na verdade mascaram o real interesse egoista de dinheiro e poder.

    assim as lideranças políticas e governamentais acabam por ficar "nas mãos" de uma minoria, sem que haja rotatividade, inovações relevantes. O que parece ser conservadorismo, nada mais é do que comodismo da população. Pois se começar a ter o voto consciente, o voto afetivo diminuirá, consequentemente, a mesmice politica da cidade.

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente Juiz de fora esta a mercê de não só 1 (um) politico mas vários, que usam o Legislativo para fazer de profissão. Poucos preocupam com a população mas outros estão preocupados sim com seus bolsos cheio de dinheiro e sem pensar na infra estrutura de nossa cidade..... cade as obras dessa cidade onte esta?

    ResponderExcluir