16 de mar de 2011

Fim do racismo?


A capa da revista Época do dia 21 de fevereiro de 2011 “O primeiro galã negro”, que fala do sucesso do personagem André interpretado por Lázaro Ramos na novela Insensato Coração me provocou reflexões e me motivou a escrever sobre o assunto.
Ter um personagem negro com papel de destaque na telenovela global das 21h é algo extremante novo e sedutor para a população negra e, de certa maneira, contempla uma histórica reivindicação do movimento negro de obter mais espaço de destaque nos meios de comunicação.
Porém, é fundamental refletirmos sobre os limites desta “concessão global”, pois apesar de vermos um negro na tela, o seu modo de vida é referenciado num padrão branco e a ausência do conflito racial nos remete a idéia que o racismo é algo superado. Isso fica evidente no editorial escrito pelo Diretor de Redação da Revista Época, Helio Gurovitz, quando ele afirma:
“Lázaro [Ramos] vive um playboy rico e sedutor, nos moldes de personagens outrora atribuídos a atores como Francisco Cuoco ou Tarcisio Meira. E o fato de ele ser negro nem é notado pela maior parte da audiência (assim como o fato de Obama ser negro ter ocupado um lugar diminuto nos debates da campanha eleitoral americana). Trata-se de um sinal de como a maioria dos brasileiros parece encarar de modo positivo a ascensão social dos negros.”
Esse discurso foi o que permeou toda a matéria feita pela Revista que aponta o protagonismo do negro na telenovela como reflexo da acessão do negro na sociedade brasileira e conseqüentemente a diminuição do racismo. Além de trabalhar o racismo apenas no campo interpessoal e a idéia que através de esforços individuais é possível sua superação, esta retórica revela uma sofisticação no debate da democracia racial no Brasil.
O conceito de democracia racial elaborado por Gilberto Freyre em seus clássicos “Casa Grande e Senzala” e “Sobrados e Mucambos”, estabelece que na construção da sociedade brasileira colonial havia uma relação harmoniosa de raça e classe. Este pensamento foi incorporado pelas elites como forma de mascarar a perversidade da escravidão, e justificar a ausência de uma política de inclusão da população negra na sociedade pós abolição, defendendo uma construção ufanista de identidade nacional que empastela a diversidade cultura do país.
Estabelecer o debate racial no Brasil desta maneira nada mais é do que esconder as profundas desigualdades, econômicas, sociais e culturais entre negros e não negros. O racismo e o machismo são a base estrutural do sistema capitalista brasileiro, a ascensão de uma pequena parcela da população negra não alterou a condição concreta da maioria dessa população.
Pesquisas recentes mostram que a cada 1 jovem branco 2 jovens negros são mortos pelos aparelhos repressivos do estado, que as mulheres negras são as que mais morrem por abortos mal feitos, que o homem e a mulher negra possuem os salários mais baixos, que 73% das pessoas nas piores condições de miserabilidade são negras.
A luta por avanços concretos na condição de vida da população negra como as cotas, são fundamentais para a diminuição do abismo social entre negros e não negros, além de ser um espaço pedagógico de debate com a sociedade brasileira sobre a existência do racismo. Mas não podemos achar que ela é um fim em si mesma.
A construção de uma elite negra não pode ser o nosso projeto político e o EUA é a maior prova disso, a chegada de Barack Obama a presidência não reduziu o papel imperialista do seu país, isso fica latente nos conflitos recentes no norte da áfrica e no oriente médio, nem houve uma mudança significativa na condição da população negra norte americana.
O que é fundamental refletirmos é que saídas individuais não resolvem o problema. Só é possível a superação do racismo se construirmos um projeto coletivo e popular que aponte outro modelo de sociedade, onde a exploração do homem pelo homem para acumular riqueza não seja a sua base de sustentação, onde haja igualdade de oportunidades e a diversidade seja de fato respeitada.

*Joselicio Junior, mais conhecido como Juninho, morador do Jardim Santo Eduardo, Embu -SP, jornalista, pós graduando em Mídia Informação e Cultura CELACC/ ECA-SP, membro da coordenação nacional do Círculo Palmarino. Membro do Diretório Estadual do PSOL-SP.

FONTE; PSOL NACIONAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário