3 de mai de 2012

A Rússia se prepara para a guerra dos EUA e Israel ao Irã

A Rússia empreendeu uma ampla preparação nos últimos meses para um possível ataque militar por Israel e pelos Estados Unidos contra o Irã. De acordo com relatórios recentes, o Estado-Maior russo espera uma guerra contra o Irã neste verão, com enormes implicações não só no Oriente Médio, mas também no Cáucaso. Foram tecnicamente atualizadas as tropas russas no Cáucaso, e foi criada a toque de caixa a divisão de mísseis no Mar Cáspio. Mísseis de cruzeiro na frota do Mar Cáspio agora estão localizados na costa do Daguestão. A única base militar russa no Cáucaso do Sul, instalado na Armênia, também se prepara para o confronto militar. No outono passado, a Rússia enviou seu porta-aviões Kuznetsov ao porto sírio de Tartus após a escalada de conflitos na Síria. Especialistas acreditam que a Rússia apoiaria a Teerã, em caso de guerra, pelo menos militarmente e tecnicamente.
 Em um comentário em abril, o general Leonid Ivashov, presidente da Academia de Ciências Geopolíticas, escreveu que "uma guerra contra o Irã seria uma guerra contra a Rússia" e defendeu uma "aliança político-diplomático" com a China e a Índia. As operações foram realizadas em todo o Oriente Médio para desestabilizar a região e tomar medidas contra a China, Rússia e Europa. Sobre a guerra contra o Irã, Ivashov escreveu que esta guerra poderia "vir a nossas fronteiras, desestabilizar a situação no Cáucaso do Norte e enfraquecer nossa posição na região do Mar Cáspio."
 Entre as principais preocupações de Moscou são as conseqüências para o Sul do Cáucaso, no caso de uma guerra contra o Irã. A Armênia é o único aliado do Kremlin na região e tem estreitos laços econômicos com o Irã, enquanto a vizinha Geórgia e o Azerbaijão mantem laços militares e econômicos com os Estados Unidos e Israel.
 Os temores do Kremlin, acima de tudo, são de que o Azerbaijão possa participar de uma aliança militar com Israel e os Estados Unidos contra o Irã. O Azerbaijão faz fronteira com o Irã, Rússia, Armênia e Mar Cáspio e, desde meados de 1990 tem sido um importante aliado econômico e militar dos Estados Unidos no Cáucaso do Sul, hospedando várias bases militares dos EUA.
 As relações entre Irã e Azerbaijão já estão tensas. Teerã acusou repetidamente Baku de participar de ataques e atos de sabotagem, financiados e em colaboração com as agências de inteligência israelenses e norte-americanas.Nos últimos anos, o Azerbaijão dobrou seus gastos militares, e em fevereiro de assinou um acordo de armas com Israel de US $ 1.600 milhões, incluindo o fornecimento de aviões e sistemas de mísseis de defesa.
 Citando a administração Obama, no final de março, o assessor Mark Perry disse à revista Foreign Baku que havia autorizado o acesso de Israel a várias bases aéreas na fronteira norte do Irã, que poderiam ser usadas para um ataque aéreo contra Teerã. A revista cita um alto funcionário do governo: "Os israelenses compraram um aeroporto no Azerbaijão." Perry advertiu que "os planejadores militares devem agora considerar um teatro de guerra, incluindo não só no Golfo Pérsico, mas também no Cáucaso."
 O governo de Baku imediatamente negou o relatório, mas o editor do Azerbaijão da Neue Zeit, Shakir Gablikogly, sugeriu que o Azerbaijão poderia ser arrastado para uma guerra contra o Irã.
Mesmo que o Azerbaijão não seja o ponto de partida para um ataque israelense ao Irã, há o perigo de uma escalada de guerras militares de outros conflitos, disputas territoriais entre a Armênia e o Azerbaijão sobre o Nagorno-Karabakh. A região tem sido independente desde o fim da guerra civil em 1994, mas o governo de Baku, os EUA e o Conselho Europeu insistem em considerar a si mesmos como parte do Azerbaijão. Nos últimos dois anos, não foram repetidos conflitos de fronteira entre a Armênia e o Azerbaijão, e os comentaristas advertiram que a disputa poderia levar a uma guerra com a Rússia, os Estados Unidos e o Irã.
 Em uma entrevista recente com a Rússia Komsomolskaya Pravda, o especialista em assuntos militares Mikhail Barabanov disse que os conflitos na região pós-soviética poderia levar a uma intervenção militar na Rússia. Qualquer intervenção na região pelos EUA ou o poder da OTAN poderá contribuir para a "o inevitável risco de uso de armas nucleares." A Rússia tem o maior arsenal nuclear do mundo depois dos Estados Unidos.
 Devido à sua importância geo-estratégica, a Eurásia se tornou o epicentro de rivalidades econômicas e políticas e conflitos militares entre os EUA e a Rússia após o colapso da União Soviética. Azerbaijão, Geórgia e Armênia são uma ponte entre os ricos recursos naturais da Ásia Central e do Mar Cáspio por um lado, e a Europa e o Mar Negro, do outro.
 Desde 1990 os EUA tentaram ganhar influência na região através de parcerias econômicas. Em 1998, o futuro vice presidente dos EUA Richard Cheney, então presidente-executivo da gigante do petróleo Halliburton, disse: "Eu não me lembro do tempo em que uma região tão rapidamente tenha obtido essa enorme importância estratégica, como aconteceu com o Mar Cáspio".
 Em seu livro The Grand Chessboard (O Grande Tabuleiro de Xadrez) (1998), o judeu sionista Zbigniew Brzezinski, conselheiro de Segurança Nacional do presidente Jimmy Carter, escreveu: "Um poder que dominar a Eurásia viria a controlar dois terços das regiões economicamente mais produtivas do mundo. Na Eurásia, há cerca de três quartos dos recursos energéticos conhecidos do mundo. "
 A importância central da região é que é um ponto de trânsito para o abastecimento de energia para a Europa e Ásia, na fronteira com a Rússia. Ao apoiar projetos de gasodutos alternativos, Washington tentou manipular e minar os laços da Rússia com a Europa, em grande parte dependentes do petróleo e gás russos.
 Até agora, a Geórgia é o país de trânsito importante para óleo e gás e tem estado no centro dos conflitos na região. Em 2003, a "revolução das rosas" na Geórgia foi instigada e financiada por Washington para levar ao poder como presidente Mikhail Saakashvili, a fim de salvaguardar os interesses econômicos e estratégicos dos EUA na região. Isso levou a uma escalada das tensões com Moscou pela supremacia geoestratégica. A guerra entre a Geórgia e a Rússia no verão de 2008 representa um passo importante na rivalidade entre os dois países, com a possibilidade de expansão para uma guerra russo-americana. As relações entre a Rússia e a Geórgia são ainda muito tenso.
 A influência dos EUA no Cáucaso e na Ásia Central tem diminuído consideravelmente nos últimos anos. Além da Rússia, a China tornou-se um fator importante na área para fazer importantes laços econômicos e militares com países da Ásia Central como o Cazaquistão. Embora a Rússia e China permaneçam rivais, estabeleceram uma aliança estratégica contra os Estados Unidos. Para os EUA, a guerra com o Irã representa uma nova etapa em seu confronto crescente com a China e a Rússia pelo controle dos recursos energéticos da Ásia Central e Oriente Médio.

ENVIADO POR: NAURU MENDES (MILITANTE DO PSOL JF)

Nenhum comentário:

Postar um comentário